22 Curiosidades Sobre a Costura Que Você Não Sabia, Mas Deveria


Não se sabe exatamente quando a prática da costura começou, mas sabemos que é e sempre foi presente na humanidade. Desde o início, a história mostra que era necessário ter pessoas para produzir roupas, assim, as pessoas não sairiam nuas pelas ruas.

Agulhas feitas de ossos

Os primeiros registros dos instrumentos usados como agulhas foram feitos há mais de 30 mil anos. Na época, o metal ainda não era tão utilizado na vida da população, fazendo com que os instrumentos de costura fossem feitos de ossos de mamute e marfim, em algumas ocasiões.

Surgimento da profissão

Na Europa, onde o clima no inverno é bem rigoroso, a ideia de produzir peças para cobrir as pessoas tinha por finalidade protegê-las o máximo possível. O uso específico das roupas fez surgir a profissão de costureiro. Na sociedade persa, o cargo de costureiro foi ainda mais valorizado. Nessa época as roupas passaram a ter mais conforto e a serem mais personalizadas.

Na Idade Média o crescimento do valor da profissão de costureiro foi ainda maior. Com a confecção de túnicas de algodão para o inverno e as roupas mais sofisticadas costurados com jóias ou pedras preciosas, o ramo começou a movimentar mais dinheiro devido à habilidade dos artesãos.

Preocupação com a estética

Depois da ideia de se preocuparem em proteger a população do frio, foi recém-descoberto a cidade de ÇatalHüyük. Segundo os estudos, a civilização dessa cidade já se preocupava com a estética das roupas. A civilização de ÇatalHüyük produziu vestimentas semelhantes a de civilizações que só viriam a existir depois, como os egípcios e os sumérios.

A máquina de costura

A primeira máquina de costura a ser construída foi em 1790, por Thomas Saint e foi idealizada para trabalhar com couro. Mais tarde, em 1830, a primeira máquina de costura industrial que se dedicasse ao vestuário foi criada por Barthelemy Thimmonier e causou revolta entre os artesãos.

Os artesãos começaram a fazer manifestos constantes contra as indústrias de roupas, ateando fogo até nas máquinas de Bartgelemy. O inventor e alfaiate francês teve que se retirar do país, sendo ameaçado de morte pelos costureiros.

A alta costura

Já ouviu falar na Maison Worth? O inglês Charles Freder inventou a alta costura em 1858 e foi dele a primeira Maison. A loja passou a ser procurada por membros da alta sociedade para a criação de modelos exclusivos. A marca chegou a empregar mil e duzentos funcionários e ditou os padrões da moda que atingiam toda a Europa.

O inglês também foi criador dos desfiles de moda com modelos humanas e fez tudo com a ajuda de sua esposa Marie Vernet.

Os ateliês que se intitulam como sendo de alta costura precisa seguir algumas regras impostas pela Câmara de Comércio de Indústria de Paris. Entre elas a obrigatoriedade de produzir no mínimo duas coleções por ano, de primavera-verão e outra de outono-inverno, com 35 peças em cada. É preciso ter vestimentas para a noite e para o dia.

Fonte: clubedacostura.com.br

Alta Costura

A alta-costura definitivamente não é pra qualquer um! Na semana de moda em Paris foi possível conferir um espetáculo de criações artesanais e exclusivas com bordados, metais e pedrarias de puro luxo. Pra se ter uma ideia, uma peça de um iniciante, custa em média 15 mil euros, ou seja, mais de 53 mil.

E engana-se quem pensa que são poucas as interessadas nesses looks tão elaborados. Basta olhar pras famosas “first row” de cada desfile pra notar a clientela, tão selecionada! A nossa colaboradora Paula Martins conversou com o estilista Franck Sorbier que tem seu próprio ateliê desde 2005. E ele elencou algumas curiosidades deste métier tão restrito e sofisticado!
desfile Frank Sorbier

O estilista Franck Sorbier entre a modelo brasileira Hadassa Lima e Paula Martins
1. O estilista Charles Frederick Worth (Inglaterra) foi quem introduziu a alta-costura (século XIX), se tornando grande referência, além de ter sido o primeiro a colocar modelos numa passarela
ao invés de apresentar suas peças em cabides!

2. As peças de alta-costura são criações artesanais, modelos exclusivos em tecidos nobres, muitas vezes com bordados, feitos à mão, com pedrarias e metais preciosos! Essas peças que podem ser vestidos, casacos, entre outros, são vendidos por preços elevados, pra uma clientela poderosa e abastada!

3. Nas coleções de alta-costura, as peças são únicas. Cada modelo é feito sob encomenda pra suas clientes, com no mínimo uma prova. Isso é uma lei da “Chambre Syndicale de la Haute Couture” (Conselho Sindical de alta-costura).

4. Cada maison de alta-costura tem uma modelo “oficial” do ateliê, que é quem sempre prova as peças da marca. Ah, e lembrando, essa maison deve ter um ateliê em Paris, que emprega pelo menos 15 funcionários em tempo integral! Franck Sorbier tem como modelo oficial, Hadassa Lima, uma brasileira, linda e simpática.

5. E quanto as clientes?! Quem são elas, quem compram alta-costura? Monsieur Sorbier diz que isso mudou bastante, no passado isso também era regra – eram 200 clientes pelo mundo que se dividiam entre Estados Unidos, Europa e princesas do Oriente Médio, por exemplo.

Atualmente o público-alvo são mulheres abonadas, atrizes, enfim, quem puder e quiser vestir alta-costura. Mas é preciso ter em mente que as portas estão abertas pra a encomenda, só que é necessário estar disposto a pagar algumas dezenas de euros numa única peça. mas feita só pra você!

Fonte: revistaglamour.globo.com