Pecados da Costura: 20 Coisas que Todos nós Fazemos, Mas Não Deveria


1- Não fazer o acabamento interno, usando a típica frase “Ninguém vai ver isto”.
Ao contrário do que possas pensar, quando não tens o cuidado de polir internamente os teus trabalhos( chulear, cortar excessos de margens e linhas, reduzir o volume das costuras), o resultado final não só terá menos qualidade e durabilidade, como também fica com aquele aspecto pouco profissional de algo feito por um amador.
Lembra-te que as imperfeições internas notam-se no lado externo do nosso trabalho.

2-Não descoser, quando o ponto não está perfeito e usar a desculpa de que, “Não está assim tão mau e concerteza não fará diferença”.
Fingir que não viste aquela costura terrível, ou simplesmente aceitar que não esta assim tão má, só para não teres o trabalho de a descoser.
Geralmente quando o faço, termino com uma peça muito diferente do esperado.
É nestes momentos que bate a frustração de ter perdido tempo com algo que não vou querer usar.
Uma dica: É muito importante garantir que as costuras estão fortes, direitas e que mantêm a mesma distância da margem em toda a peça. Este cuidado reduz o risco de acabares com um trabalho torto ou com dimensões diferentes do tamanho original.

3-Ignorar ou esquecer de transferir as marcações dos moldes enquanto recortas o mesmo.
E com isto quero dizer, que provavelmente estarás a pensar: “Estas marcas não são assim tão importantes!”.Rapidamente vais perceber que se tornam essenciais para a união e montagem das peças.Muitas vezes só me lembro quando já separei o tecido do molde.

4-Não respeitar os tecidos recomendados, para o modelo que vais costurar.
Confesso que este era o meu maior pecado, pois caia sempre na tendência de escolher o tecido apenas de acordo com o meu gosto pessoal, cor ou padrão. Claro que o resultado final, ficava muito longe do esperado, pois o tecido não correspondia ao que o modelo precisava.

5- Não comprar tecido suficiente para o projecto que tens em mãos.
Este erro é das costureiras que pensam que podem fazer milagres e são muito poupadinhas. Geralmente pensam assim: ” Vou levar apenas 30 cm deste pois é muito caro,( mesmo sabendo que precisas de 50cm)”Ou “Já sei que só vou terminar este trabalho daqui a algumas semanas, levo apenas um pouquinho para começar, afinal ainda há muita quantidade no rolo, de certeza que encontro quando regressar á loja!”
Pois….. Confesso que continuo a praticar este mau hábito.
Vai por mim, a frustração de não poder terminar algo, porque o tecido não chegou, é tão grande quanto a frustração de voltar á loja e descobrir que já não têm o tecido que procuras.
Sei que os tecidos não são propriamente baratos, mas a regra aqui é: Podes comprar sempre um pouco mais do que o modelo sugere, principalmente se o tecido escolhido tiver um padrão com direcção, mas nunca menos.
Desta forma terás sempre margem para rectificar erros ou falhas.Lembra-te que ter tecido suficiente pode determinar a possibilidade de terminar um trabalho ou não.

6– Ignorar o passo que indica necessidade de assentar/ abrir costuras com o ferro.”Opha! que chatice ligar constantemente o ferro!”
Vai por mim, quando o modelo pede para usar o ferro, deves fazê-lo sempre. Fará diferença em todo o processo e também no resultado final.
Assume que o ferro é tua grande aliada.

7- Cortar incorrectamente as peças que compõem o molde.

Isto acontece muitas vezes quando temos pressa. Acabamos sempre por fazer batota na fase do corte, pois queremos ter tempo para costurar com mais calma.
Sei que é chato e ás vezes demorado, mas deves cortar sempre de acordo com as linhas do molde, para não terminares com peças de diferentes tamanhos e que sejam quase impossíveis de alinhar e unir umas ás outras.Outro cuidado a ter é o de alinhar o molde correctamente no tecido e verificar se há necessidade ou não de o dispor na dobra.

Fonte e Créditos das informações acima: sopensoemcostura.blogspot.com.br

8) Máquina de Costura: regulada e com agulha adequada para o tecido, é suficiente para colocar mil idéias em prática. Não precisa nem ser uma maquina cheia de recursos e botões, dá pra fazer muito com bem pouco. Estando reguladinha é pá-pum!

9) Iluminação adequada: Sério, não dá para costurar no escuro. Grande parte das maquinas possui sua própria lâmpada mas manter uma luminária de apoio é uma sugestão boa para manter a vista descansada e o trabalho rendendo sem forçar as vistas. #velhices

Agra, India3) Tesoura: Sempre bem amolada, use-a somente para cortar tecidos. Tenho comigo uma de alfaiate que uso há muitos anos e é meu xodó. Vale comprar uma pequena para corte de linha (limpeza da peça) e ter uma mais usadinha para papéis. E não sabe onde amolar tesoura? Leve nos amoladores de alicate de unha, as manicures sempre conhecem os melhores <3

10) Ferro de passar: Há anos venho dizendo que o ferro é o melhor amigo da costureira. Ele ajuda a “assentar” o tecido, ajuda no acabamento e já deixa sua costura visivelmente mais bonita. Nem consigo costurar sem um do lado.

 

11) Paciência: Este deve ser o ítem número 01 para qualquer projeto manual e vale para iniciantes ou para quem tem muita prática. Raramente sentar na máquina com pressa para terminar o projeto dá bons resultados. As vezes, até a costura mais simples, torna-se um pequeno dinossauro assustador, afinal, tem hora que a coisa não flui e descosturar é necessário. Quem nunca descosturou 10x um mesmo projeto?

Ás vezes o tecido esgarça e temos que ter cuidado redobrado. Noutras, a máquina trava ou o molde não dá certo. Isso acontece com todo mundo e temos que exercitar a velha e boa paciência.
Costumo dizer que, quando a costura engancha demais é bom fazer uma pausa, sair para um café, esfriar a cabeça etc. Geralmente o panorama muda e tudo volta a funcionar. Então baby, paciência sempre à postos.

Informações retiradas da Internet